Lugares que não nos cabem mais

Chega um tempo em que nós nos vemos cansados da rotina que nos esmaga, das mesmas coisas, das mesmas pessoas, das mesmas ideias, das mesmas discussões que não nos levam a lugar algum.

Chega um tempo em que nós parecemos estranhos no nosso próprio ninho e precisamos voar para longe.

E esse voar pode ser bem traumático ou doloroso, mas no fundo nós sabemos que permanecer no mesmo lugar seria muito pior e voar mais tarde seria ainda mais difícil.

Ah mas que esse tempo não seja de forma alguma confundido com o tédio natural que vez ou outra chega e flerta conosco e nos impulsiona a buscar novidades e pequeninas mudanças na nossa rotina ou no nosso círculo de amizades.

É algo totalmente diferente, algo que nos incomoda lá dentro, na alma.

Nesse tal tempo nascem as mudanças que, algumas vezes, estão sendo adiadas por anos: mudar de casa, mudar de amizades, mudar de emprego, mudar de relacionamentos, mudar a nossa forma de ver o mundo… é aquela hora em que nós dizemos basta para alguma coisa como se fosse um grito de liberdade vindo de nosso coração já cansado de tanta espera.

Eu dei um grito desses já faz algum tempo e, ainda que tenha absoluta certeza de que continuar como eu estava me faria muito mal, resolvi olhar para trás e posso afirmar que não foi muito confortável.

Revisitei hábitos, pessoas, paisagens, rotinas, conversas que por muitos anos me sustentaram e me fizeram muito bem, que foram parte do meu cotidiano, da minha vida e que hoje simplesmente já não me cabem mais.

Essa sensação de voltar e tentar nos encaixar nem que seja um pouquinho pra parecer que não estamos tão distantes assim principalmente das pessoas é bem estranha e, sim, chega a doer.

Dói saber que não cabemos mais em espaços que tanto nos faziam tão bem.

Dói saber que não temos mais assunto com pessoas com as quais passávamos horas e horas conversando.

Dói entender que nós temos que desapegar porque voltar não é uma opção que vá nos fazer bem.

É nessa hora que eu acho que temos que lembrar o porquê fizemos a escolha de deixar para trás o que nós deixamos afinal, sempre há um porquê e ele não deve ser esquecido.

Muitas vezes a nostalgia e a saudade nos fazem lembrar só dos pontos positivos de algumas pessoas ou situações, mas se nós nos afastamos é porque alguma razão tivemos nem que seja simplesmente a falta de afinidade que vai acontecendo com o tempo.

Quando eu lembrei, percebi que tudo o que eu vivi não foi abandonado, continua vivo dentro do meu coração e esse é melhor lugar para as boas lembranças.

A nossa vida segue e muito é deixado para trás para o nosso próprio bem e ter saudade é normal, mas que ela não seja confundida com o apego e nem nos faça cair no erro de tentar diminuir quem somos ou anular nossos processos para tentar caber em lugares, círculos e rotinas que não nos cabem mais.


Um comentário sobre “Lugares que não nos cabem mais

  1. Oi Vivi! Tô adorando seu cantinho novo. Já abri várias abas aqui haha

    Vim aqui mais pra comentar sobre você ser INFP!?!?!? Não sabia! Eu sou uma mistura de INFP com ISFP, cada hora eu sou um rs Mas acho que faz sentido. Por isso eu me identifico tanto com a sua forma de pensar e ver o mundo. Você já fez o teste do eneagrama? Também acho bem certeiro.

    Sucesso com o novo blog! Se cuide aí e bom final de semana ♥

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s